Skip navigation

…a Petrobras encomendou a dois técnicos brasileiros uma revisão geral das jazidas sedimentares do país. Como resultado de seus informes, o pequeno Estado nordestino de Sergipe passou à vanguarda na produção de petróleo. Pouco antes, em agosto, o técnico norte-americano Walter Link, que fora o principal geólogo da Standard Oil de Nova Jérsei, recebera do Estado brasileiro meio milhão de dólares por uma montanha de mapas e um extenso informe que tachava de ‘inexpressivo’ a espessura sedimentar de Sergipe: até então tinha sido considerada de grau B, e Link a rebaixou para grau C. Depois se soube que era de grau A (…)Link tinha trabalhado todo o tempo como agente da Standard, de antemão resolvido a não encontrar petróleo para que o Brasil continuasse dependente das importações da filial de Rockefeller na Venezuela”. (Eduardo Galeano, As Veias Abertas da América Latina).

Meio século se passou desde o informe de Link. O governo do Partido dos Trabalhadores promove a 11ª rodada de licitações do petróleo: 289 blocos leiloados, em 11 Estados. Expectativa de produção: 19,1 bilhões de barris de petróleo e gás, que totalizam US$ 2 trilhões, segundo o professor Adriano Benayon.  É o valor do PIB nacional total, entregue às transnacionais petrolíferas.

https://www.youtube.com/watch?v=U0_3o3U8Xng

Constituição Federal:
“Art. 177. Constituem monopólio da União:
I – a pesquisa e a lavra das jazidas de petróleo e gás natural e outros hidrocarbonetos fluidos”.

Nossa lei suprema não prevê venda de petróleo a estrangeiros. O governo tucano, safadamente, inventou a concessão em 1997. Lei 9.478, a mesma que cria a ANP e os famosos royalties.

O governo petista, que elegeu-se denunciando essa lei, cumpre-a ainda com mais rigor que seus criadores. Entregam blocos petrolíferos resultantes de décadas de pesquisa, bancada com grana nacional, a transnacionais que não investem 1 centavo no Brasil. Não compram plataformas em solo nacional, não constroem refinarias, não geram emprego, não abastecem o mercado interno. Seu objetivo único é extrair óleo in natura, remetendo lucros às matrizes.

Transnacionais que mantêm governantes, tucanos ou petistas, como testas-de-ferro. Por isso a criação da Lei Kandir, em 96, a isentar de impostos a exportação de matérias-primas. Por isso a multa ridícula de R$ 35 milhões a Chevron, que despejou quase 4 mil barris de óleo no mar carioca.

A exportação de óleo bruto representa 1% do PIB nacional. Não dependemos disso. Num planejamento capitalista, poderíamos manter os blocos intactos para barganhar mais à frente, quando a escassez mundial elevar o preço do barril.

Os leilões da 11ª rodada trouxeram R$ 2,8 bilhões aos cofres nacionais. Ou, US$ 1,25 bilhão. Ou, 0,06% do valor potencial de produção dos blocos.

Enquanto isso, a opinião pública nacional segue discutindo a partilha dos royalties. E o governo prepara o próximo leilão, o de Libra, considerado a maior descoberta de petróleo convencional do século XXI.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: