Pular navegação

A alimentação do brasileiro tem-se revelado, à luz dos inquéritos sociais realizados, com qualidades nutritivas bem precárias, apresentando, nas diferentes regiões do país, padrões dietéticos mais ou menos incompletos e desarmônicos. Numas regiões, os erros e defeitos são mais graves e vive-se num estado de fome crônica; noutras, são mais discretos e tem-se a subnutrição. Procurando investigar as causas fundamentais dessa alimentação em regra tão defeituosa e que tem pesado tão duramente na evolução econômico-social do povo, chega-se à conclusão de que elas são mais produto de fatores socioculturais do que de fatores de natureza geográfica”.
(Josué de Castro, Geografia da Fome – Recife, 1946)

Era uma vez uma empresa alemã chamada Bayer, que vendia heroína para crianças como remédio contra a tosse e usava cobaias humanas em seus testes. Integrava um conglomerado chamado IG Farben, que inventou um pesticida chamado Zyklon-B, usado para matar prisioneiros nos campos de concentração nazistas. O gás causava “convulsões violentas, que atacavam o cérebro e produziam um ataque cardíaco em questão de segundos“.

heroina

A matança foi coordenada por um cientista chamado Fritz ter Meer, premiado com a diretoria da Bayer em 1956, aposentando-se em 1961 – 11 anos após a queda do regime nazista.

A Bayer é a campeã mundial de patentes transgênicas: milho, soja, batata, tomate, uva. Produz um herbicida chamado glufosinato, e um arroz geneticamente modificado para suportar altas doses desse. Mas o arroz acabou rejeitado na Europa, Ásia e EUA, rendendo à Bayer uma multa de U$ 750 milhões por contaminar plantações nativas.

A Bayer comprou uma empresa norte-americana chamada Monsanto. Esta produzia um veneno chamado Agente Laranja, usado pelos EUA para desfolhar as florestas, destruir as plantações de arroz e envenenar a população do Vietnã, invadido nos anos 60. O veneno causou câncer e malformações em vietnamitas que sobreviveram e nasceram após o ataque.

A Monsanto produz hoje um veneno rotulado Roundup, mas que se chama glifosato. E também um milho imune a esse veneno, o NK 603, que se come no Brasil. Mas a Monsanto está sendo expulsa da Europa. Pesquisas com o NK 603 mostraram que ratos de laboratório alimentados com ele tiveram tumores e patologias no fígado e rins.

A Monsanto também perde mercado na Ásia. Japoneses e coreanos não querem mais o trigo western white, outro resistente ao glifosato.

Era uma vez um país chamado Brasil, maior consumidor mundial de pesticidas,  infestado de congressistas bancados pelo agronegócio, onde a fome sempre foi arma política. É nele que Bayer/Monsanto vêm se abrigar contra um mundo que cada vez lhes é mais hostil. O abrigo se chama Projeto de Lei nº 6299/02.

midia.jpg

Anúncios

One Comment

  1. Republicou isso em REBLOGADOR.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: